Do arcabouço discursivo à performance corporificada

o conceito de vulnerabilidades em processos de participação democrática

Autores

  • Lucas Henrique Nigri Veloso

DOI:

https://doi.org/10.31990/agenda.2022.3.1

Palavras-chave:

Vulnerabilidades, Movimentos Sociais, Participação Cidadã, Inovação Democrática, Etnografia Política

Resumo

O artigo argumenta sobre o potencial heurístico e crítico do conceito de vulnerabilidades para pesquisas sobre participação cidadã, movimentos sociais e lutas por reconhecimento. Pela ótica das vulnerabilidades, a ação social do sujeito político se dá sempre apesar e a partir das vulnerabilidades existenciais e sociopolíticas que enfrenta em seu cotidiano. Nesse sentido, ao tratar dicotomias clássicas como agência e padecimento, vitimização e resistência, o conceito de vulnerabilidades nos habilita a compreender como situações de adversidade e precaridade social atravessam processos de participação política: a) introduzindo diferença na motivação e agenda política de um movimento social; b) compondo obstáculos e oportunidades para a ação coletiva; c) sendo reconfiguradas pelo próprio processo de participação cidadã. Sob certas condições, vulnerabilidades, embora originalmente vistas como percalços, podem atuar como vetores de resistência e empoderamento social. Para além de uma reflexão teórica e metodológica, o artigo apresenta resultados de aplicação empírica do conceito de vulnerabilidades sobre etnografia política que mapeou desafios e inovações democráticas promovidas pelo movimento social antimanicomial de Belo Horizonte no processo de construção e performance do protesto “dia de luta antimanicomial”. 

Referências

BÄCHTIGER, A et al. (Ed.). The Oxford handbook of deliberative democracy. Oxford University Press, 2018.

BIROLI, F. Gênero e desigualdades: limites da democracia no Brasil. Boitempo Editorial, 2018.

BUTLER, J. Lenguaje, poder e identidad. Editorial Síntesis, 2004.

BUTLER, J. Marcos de Guerra. Las vidas lloradas, trad. Bernardo Moreno Castillo, Buenos Aires, Paidós, 2010.

BUTLER, J. Parting ways: Jewishness and the critique of Zionism. Columbia University

Press, 2012.

BUTLER, J. When gesture becomes event. In: Inter Views in Performance Philosophy. Palgrave Macmillan, London, p. 171-191, 2017.

BUTLER, J. Corpos em Aliança e a política das ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, J; GAMBETTI, Z; SABSAY, L (Ed.). Vulnerability in resistance. Duke University Press, 2016.

CURATO, N et al. Twelve key findings in deliberative democracy research. Daedalus, v. 146, n. 3, p. 28-38, 2017.

COLE, A. All of us are vulnerable, but some are more vulnerable than others: the political

ambiguity of vulnerability studies, an ambivalent critique. Critical Horizons, v.17, n.2, p.260-277, 2016.

CRESSWELL, T. Towards a politics of mobility. Environment and planning: society and space, v. 28, n. 1, p. 17-31, 2010.

FAIRCLOUGH, N. Discourse and social change. Cambridge: Polity press, 1992.

FINEMAN, Martha Albertson. The vulnerable subject: Anchoring equality in the human condition. Yale JL & Feminism, v. 20, n. 1, 2008.

FINEMAN, M. A. The vulnerable subject and the responsive state. EmoRy lJ, v. 60, p. 251, 2010.

FINEMAN, M. A. Equality, autonomy and the vulnerable subject in law and politics, in Fineman, M.A and A. Grear (eds.), Vulnerability: Reflections on a New Ethical Foundation for Law and Politics. Surrey: Ashgate, pp. 13-28, 2013.

FOUCAULT, M. Poder de morte e direito sobre a vida. In: História da Sexualidade, v.1, A vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, p.127-152, 1980.

GILSON, E. The Ethics of Vulnerability: A Feminist Analysis of Social Life and Practice. New York: Routledge, 2014.

GOODIN, R. E. Protecting the vulnerable: A re-analysis of our social responsibilities. University of Chicago Press, 1986.

HABERMAS, J. (2006). Political communication in media society: Does democracy still enjoy an epistemic dimension? The impact of normative theory on empirical research. Communication theory, v. 16, n. 4, 2006.

HOFFMASTER, B. What does vulnerability mean. Hastings Center Report, v. 36, n. 2, 2006.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. Ed34,

HONNETH, A.; ANDERSON, J. Vulnerabilidade, Reconhecimento e Justiça. Cadernos de Filosofia Alemã: Crítica e Modernidade, n. 17, p. 81–112, 2011.

KITTAY, E. F. Love’s Labor: Essays on Women, Equality, and Dependency. New York:Routledge, 1999.

LAUGIER, S. Politics of vulnerability and responsibility for ordinary others. Critical Horizons, vol. 17, no 2, p. 207-223, 2016.

LIJPHART, A. Comparative politics and the comparative method. American political science review, v. 65, n. 3, p. 682-693, 1971.

MACKENZIE, C. The Importance of Relational Autonomy and Capabilities for an Ethics of

Vulnerability. Vulnerability New Essays in Ethics and Feminist Philosophy. New York: Oxford University Press, 2014.

MACKENZIE, C.; ROGERS, W.; DODDS, S. (EDS.). Vulnerability New Essays in Ethics and Feminist Philosophy. New York: Oxford University Press, 2014.

MARQUES, A. C. Relações entre comunicação, estética e política a partir das abordagens conceituais de Habermas e Rancière. Fronteiras-estudos midiáticos, v. 15, n. 3, p. 150-159, 2013.

MARQUES, A. C; VELOSO, L. H; PRADO, M. A. Enquadramentos, cenas dissensuais e o aparecer antierarquico: acão política e resistência em Judith Butler e Jacques Rancière. Comunicação, Mídia E Consumo, v. 18, n. 53, p. 394-417, 2021.

MARQUES, A. C; VELOSO, L. Habermas, Foucault e a “vulneronormatividade”: interfaces entre a norma e a experiência. Princípios: Revista de Filosofia (UFRN), v. 29, n. 59, p. 202-231, 2022.

MENDONÇA, R. F. Mitigating systemic dangers: the role of connectivity inducers in a deliberative system. Critical Policy Studies, v. 10, n. 2, p. 171-190, 2016.

MENDONÇA, R. F; ERCAN, Selen A.; ASENBAUM, Hans. More than words: A multidimensional approach to deliberative democracy. Political Studies, v.70, issue 1, p. 153-172, 2020.

NUSSBAUM, M. Frontiers of Justice: Disability, Nationality, Species Membership. Cambridge: Harvard University Press, 2006.

TARROW, S. O poder em movimento. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

TILLY, C. Cycles of collective action: between moments of madness and the repertoire of contention. In: M. Traugott (Ed.); Repertoires and cycles of collective action. Durham, NC: Duke University Press, 1995.

TOURAINE, A.; KHOSROKHAVAR, F. A Busca de Si: Diálogo sobre o sujeito. Rio deJaneiro: Difel, 2004.

RANCIÈRE, J. Le spectateur émancipé. Paris: La Fabrique, 2008.

SCHATZ, E. (Ed.). Political ethnography: What immersion contributes to the study of power. University of Chicago Press, 2013.

VELOSO, L. H. Linhas de fuga, agenciamentos e corporeidades: reflexões sobre dimensões infinitesimais da luta antimanicomial de Belo Horizonte. Idealogando: revista de ciências sociais da UFPE, v. 1, n. 2, p. 34-54, 2017.

VELOSO, L. “Remédio anti-covardia”: cartografia de vulnerabilidades, comunicação e política na construção e performatividade do dia de luta antimanicomial. 2020. 201 f. Dissertação – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2020.

WACQUANT, L. Corpo e alma. Notas etnográficas de um aprendiz de boxe. Tradução de Angela Ramalho. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

WEDEEN, L. Reflections on ethnographic work in political science. Annual Review of Political Science, v. 13, p. 255-272, 2010.

YANOW, D; VAN HULST, M; YBEMA, S. Ethnography and organizational processes. The Sage handbook of process organization studies, p. 223-236, 2017.

Downloads

Publicado

2023-08-22

Como Citar

VELOSO, L. H. N. Do arcabouço discursivo à performance corporificada: o conceito de vulnerabilidades em processos de participação democrática. Revista Agenda Política, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 13–47, 2023. DOI: 10.31990/agenda.2022.3.1. Disponível em: https://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/790. Acesso em: 2 mar. 2024.