Porta-vozes do mundo social

um estudo de trajetória de parlamentares brasileiros que escrevem sobre “educação”

Autores

  • Lorenna Dominici UFMA

DOI:

https://doi.org/10.31990/agenda.2021.1.4

Palavras-chave:

elites, política, intelectuais, militantes, educação

Resumo

Cristovam Buarque e Esther Grossi são parlamentares brasileiros reconhecidos como “porta-vozes da educação”, sendo representativos da intersecção entre o domínio político e o intelectual. Ambos conseguem cargos no topo do ranking político e são autores de diversos livros. A análise de suas trajetórias possibilita apreender lógicas e práticas que definem a ocupação destas posições e lhes conferem legitimidade para falarem em nome de uma “causa”. Reconstituímos, através do Dicionário Histórico-Biográfico brasileiro, seus perfis sociais, políticos e culturais, às luzes de condicionantes históricos, e observamos os usos que fazem da escrita, através da análise de 5 obras de cada. Concluímos que ambos compõem um novo perfil de “elite”: eles não “herdam” o capital político de família, mas acumulam recursos importantes à disputa política através de suas múltiplas inserções em ONGS, na Universidade, burocracias de Estado etc.

Referências

AÇÃO POPULAR. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro; Fundação FGV, Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/acao-popular-ap. Acesso em 12/12/2017

ALMEIDA, A.M.F. “O ‘assalto’ à educação pelos economistas”. Revista: Tempo Social, vol. 20, nº 1. USP, 2008

AUGUSTO DE FRANCO. In: Escola de Redes. Disponível em: http://escoladeredes.net/group/bibliotecaaugustodefranco/page/quem-e-augusto-de-franco. Acesso em 12/12/2017

BADIE, Bertrand; HERMET, Guy. Política Comparada. México: Fondo de Cultura, 1993

BOURDIEU, P. “A delegação e o fetichismo político”. Conferência apresentada na Associação dos Estudantes Protestantes de Paris, em 7 de junho de 1983, publicada em Actes de La Recherche em Sciences Sociales, p. 52-53, junho de 1984.

BOURDIEU, P. “Modos de Dominação”. In: BOURDIEU, P. A produção da crença: contribuição para uma economia dos bens simbólicos. SP: Editora Zouk, 2002. p. 193-213.

BOURDIEU, P. “Os usos sociais das ciências. Por uma sociologia clínica do campo científico”. SP: UNESP, 2004.

BOURDIEU, P. “A identidade e a representação. Elementos para uma reflexão crítica sobre a ideia de região”. In: BOURDIEU, P. O poder simbólico. Bertrand Brasil, 2012. p. 107-132.

BOURDIEU, P. “A ilusão biográfica”. In: BOURDIEU, Pierre, Razões Práticas: Sobre a teoria da ação. 11ª edição, SP: Papirus Editora, 2013. p. 75-81.

BONEMY, H. Salvar pela escola. Programa Especial de Educação. Sociologia: Problemas e Práticas, nº 55, 2007.

BUARQUE, C. A conspiração perpétua e A eleição do ditador. IN: Buarque, Cristovam. “A eleição do ditador”. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

BUARQUE, C. “A revolução na esquerda e a invenção do Brasil”. Notas, Capítulos I, III e A mensagem. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

BUARQUE, C. “A revolução nas prioridades: da modernidade técnica à modernidade ética”. 2ª edição. São Paulo: Paz e Terra, 1994. p. 11-15, 263-287.

BUARQUE, C. “A cortina de ouro – Os sustos do final do século e um sonho para o próximo”. 2ª edição, São Paulo: Paz e Terra, 1998. p. 9 -20, 113-119.

BUARQUE, C. “A segunda abolição. Um manifesto-proposta para a erradicação da pobreza no Brasil”. 2ª edição. SP: Paz e Terra, 2003.

BUARQUE, C. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro. Fundação FGV. Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/cristovam-ricardo-cavalcanti-buarque , acesso em 12/12/2017

BUCLET, B. “Os peritos não governamentais da biodiversidade amazônica e seus financiadores internacionais: uma parceria desigual em torno de interesses comuns”. Revista Pós Ciências Sociais v.6, no 12, São Luís, MA, 2010.

CORADINI, O. L. “Panteões, iconoclastas e as ciências sociais”. In: FELIX, L. O. ELMIR, C. (Org.) Mitos e heróis: construção de imaginários. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1998. p. 209-235.

CRISTOVAM RICARDO CAVALCANTI BUARQUE. In: Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro; Fundação FGV, Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/cristovam

CHARLE, C. “A prosopografia ou biografia coletiva: balanço e perspectivas”. In: HEINZ, F. M. Por outra história das elites. Editora FGV, 2006. p. 41-19.

DEZALAY, Y; GARTH, B. "A dolarização do conhecimento técnico-profissional e do Estado: processos transnacionais e questões de legitimação na transformação do Estado, 1960-2000". RBCS, Vol. 15, Nº43, junho/2000.

DOMINICI, L. A “educação” como causa: inscrições militantes e intelectuais de parlamentares brasileiros. Monografia (do curso de Ciências Sociais). UFMA, São Luís, 2017.

DOS ANJOS, J.C.G. "Intelectuais, Literatura e poder em Cabo Verde. Lutas de definição da Identidade Nacional". Introdução e Conclusão. UFRGS, 2002.

ELMIR, C. (Org.). Mitos e heróis: construção de imaginários. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1998. p. 209-235.

FERNANDO GASPARIAN; Portal UOL Biografias, Disponível em: https://educacao.uol.com.br/biografias/fernando-gasparian.htm. Acesso em 12/12/2017

FIGUERO, L. “Gênero, Poder e Educação no Brasil do século XX”. Revista Pós Ciências Sociais, vol. 17, nº 34, 2020

GRILL, I. G.; REIS, E. T. “O que escrever quer dizer na política? Carreiras políticas e gêneros de produção escrita”. Revista Pós de Ciências Sociais, vol. 09, nº17, 2012.

GRILL, I. G.; REIS, E. T. . “Arte de escrever’, ‘Vocação para representar’: Trajetórias e produção intelectual de políticos brasileiros”. Paper apresentado no XVI Congresso brasileiro de Sociologia, Salvador: UFBA, 10-13 de setembro de 2013.

GRILL, I. G.; REIS, E. T. “Para um estudo de imbricações entre domínios políticos e intelectuais”. In: GRILL & REIS, Estudos sobre Elites Políticas e Culturais. EDUFMA, 2014.

GRILL, I. REIS, E. A universidade como um "viveiro" de vocações políticas: carreira profissional, notabilizacao intelectual e afirmação política. Revista Pós-Ciencias Sociais, no 23, 2015.

GRILL, I. G.; REIS, E. T. . “Mirada reflexiva e esforços propositivos às pesquisas sobre elites”. In: GRILL, I.; REIS, E.T. Estudos sobre elites políticas e culturais. Volume 2. São Luís: EDUFMA, 2016. p.9-48

GRILL, I. G.; REIS, E. T. “Elites parlamentares e a dupla arte de representar. Intersecções entre ‘política’ e ‘cultura’ no Brasil”. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2016.

GROSSI, E. P. “Alfabetização em classes populares”. GEEMPA. Porto Alegre: Kuarup, 1986.

GROSSI, E. P. “Alfabetização em novas bases”. Porto Alegre: Kuarup, 1993.

GROSSI, E. P. “A coragem de mudar em educação”. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2000. p. 25 – 47, 61-69, 93-105, 149-161, 221-227, 251-252.

GROSSI, E. P (org.). “Porque ainda há quem não aprende? A teoria”. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003. p. 7 -17.

GROSSI, E. P (org.). “Porque ainda há quem não aprende? A política”. SP: Paz e Terra, 2004. p. 7-15.

ESTHER PILAR GROSSI. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro. Fundação FGV. Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-biografico/ester-pilar-grossi. Acesso: 12/12/2017

LENOIR, R. “Objeto sociológico e problema social”. In: CHAMPAGNE et al. Iniciação à prática sociológica. Editora Vozes, 1996.

PÉCAUT, D. “Os intelectuais e a política no Brasil. Entre o povo e a nação”. Prefácio, introdução e conclusão. SP: Editora Ática, 1990.

PIZZORNO, A. “Um tipo diferente de diferença”. IN: FOXLEY; MCPHERSON; O’DONNELL (org). Desenvolvimento e política e aspirações sociais. O pensamento de Albert O. Hirschman. São Paulo: Editora Vértice, 1988. p. 366 – 386.

MEC/USAID. Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro; Fundação FGV. Disponível em: http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/acordo-mec-usaid" http://www.fgv.br/cpdoc/acervo/dicionarios/verbete-tematico/acordo-mec-usaid. Acesso: 01/02/2021

MICHETTI, M. A vida como projeto: a pedagogia do Homo Academicus e as iniciativas de fomento ao ‘espírito do capitalismo’ via educação pública. Ciências Sociais Unisinos, 2019.

REIS, E.; GRILL, I. “Letrados e Votados: lógicas cruzadas do engajamento político no Brasil”. In: Revista Tomo, nº 13, 2008.

REIS, E. T. “Saberes em movimento: transações entre ‘intelectuais’, definições de ciências sociais e a ‘política”. In: As ciências sociais e os espaços da política no Brasil. Editora FGV, 2013.

REIS, E. T. “Um tipo diferente de diferença na elite política: perfis políticos e inserções culturais de parlamentares brasileiras”. Cadernos Pagu, 43, 2014.

REIS, E. T. . “Rupturas, crises e intersecções”. Trajetórias, espaços e repertórios de intervenção política”. EDFUMA; Zouk, 2015.

REIS, E. T. . Trajetórias, espaços e repertórios de intervenção política. EDUFMA, 2015.

ROSA FREIRE D’AGUIAR. In: Genealogia da Família Freire. Disponível em: http://www.genealogiafreire.com.br/bio_rosa_freire_daguiar.htm. Acesso em 12/12/2017

ROSA FREIRE D’AGUIAR. In: Companhia das Letras. Disponível em: https://www.companhiadasletras.com.br/autor.php?codigo=00587. Acesso em 12/12/2017

SAWICKI, F.; SIMEANT. J. Inventário da sociologia do engajamento militante. Nota crítica sobre algumas tendências recentes dos trabalhos franceses. UFRGS: Revista Sociologias, nº 28, ano 13, 2011.

SEIDL, E.; GRILL, I. “A política como objeto de estudo das ciências sociais”. In: SEIDL; GRILL. As ciências sociais e os espaços da política no Brasil. Editora FGV, 2013.

SIGAL, S. “Intelectuais, cultura e política na Argentina”. In: Revista Pós de Ciências Sociais, vol. 09, nº17, 2012.

Downloads

Publicado

2022-01-25

Como Citar

DOMINICI , L. Porta-vozes do mundo social: um estudo de trajetória de parlamentares brasileiros que escrevem sobre “educação” . Revista Agenda Política, [S. l.], v. 9, n. 1, p. 106–133, 2022. DOI: 10.31990/agenda.2021.1.4. Disponível em: https://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/587. Acesso em: 2 mar. 2024.