Governança de Parcerias Público-Privadas na Educação

olhando o Projeto Jovem de Futuro

Autores

  • Patrícia Rodrigues Chaves da Cunha Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
  • Raquel Peres Macêdo Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

DOI:

https://doi.org/10.14244/agenda.2023.2.2

Palavras-chave:

Parceria Público-Privada, Governança, Educação, Políticas Públicas, Unidades Federativas

Resumo

Este trabalho volta-se para as relações entre a governança de Parcerias Público–Privadas na Educação (PPPEs) e sua atuação em Unidades Federativas brasileiras através do Projeto Jovem de Futuro (PJF). O objetivo é compreender a governança das PPPEs no Brasil e como elas supostamente têm atuado para diminuir a desigualdade entre entes federados e regiões do país. Utiliza-se como referência teorias de políticas públicas como o Novo Gerencialismo e destaca-se conceitos como PPPEs, Governança, Neoliberalismo e Paradigma Político para análise. A metodologia utilizada é de tipo qualitativa e analisa um único caso emblemático: o Projeto Jovem de Futuro, do Instituto Unibanco. Os resultados apontam para a adoção da concepção neoliberal como mote para aceitação e formação do projeto, a utilização da abordagem da “nova gestão pública” na governança de PPPEs pelo Instituto e a manutenção das desigualdades regionais brasileiras na qualidade da educação.

Biografia do Autor

Patrícia Rodrigues Chaves da Cunha, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Doutora em Ciência Política pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Docente adjunto da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Coordenadora do Grupo de Pesquisa, Ensino e Extensão Democracia e Políticas Públicas (DPOP).

Raquel Peres Macêdo, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Cientista Social licenciada pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Integra como pesquisadora voluntária o Grupo de Pesquisa, Ensino e Extensão Democracia e Políticas Públicas (DPOP) desde 2019 e no Núcleo de Estudos e Pesquisa em Políticas Educacionais no âmbito da UFPel.

Referências

ANDERSON, P. Balanço do Neoliberalismo. In: SADER, E; GENTILI, P. (Orgs.) Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 9-23, 1995.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República. 05 out. 1998. Disponível em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 30 mar. 2023.

BRASIL. Decreto nº 5.233 de 6 de outubro de 2004. Estabelece normas para a gestão do Plano Plurianual 2004-2007 e de seus Programas e dá outras providências. Subchefia para Assuntos Jurídicos, 06 out. 2004. 2004a.

BRASIL. Guia de tecnologias educacionais 2009. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2009.

BRASIL. Plano Diretor da Reforma do Aparelho do Estado. Brasília: Presidência da República, Câmara da Reforma do Estado, 1995.

BRESSER‐PEREIRA, L. C. Do Estado Patrimonial ao Gerencial. In: SACHS, I.; WILHEIM, J.; PINHEIRO, P. S. (Orgs.). Brasil: Um século de transformações. São Paulo: Cia. das Letras, p. 222‐259, 2001.

BOURDIEU, P; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. 3. ed., Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

BORÓN, A. Os “novos Leviatãs” e a pólis democrática: neoliberalismo, decomposição estatal e decadência da democracia na América Latina. In: Atilio A. Boron, et all; Emir Sader; Pablo Gentili (Orgs). Pós-Neoliberalismo II: As políticas sociais e o Estado Democrático. Editora Vozes. 3 ª Edição. Petrópolis-RJ; p. 7-67, 2001.

BULL, B. Public-Private Partnerships: The United Nation experience. In: HODGE, G. A.; GREVE, C.; BOARDMAN, A. E. (Ed.). International handbook on Public-Private Partnerships. Cheltenham: Edward Elgar, 2010.

CAMPBELL, J. L. Institutional Analysis and the Role of Ideas in Political Economy. Theory and Society, v. 27, n. 5, p.377-409, 1998.

CAPOCCHI, E. R. Avaliações em larga e políticas de responsabilização na educação: evidências de implicações indesejadas no Brasil. 2017 Disponível em: <https://teses.usp.br/teses/disponiveis/48/48134/tde-13092017-145218/publicoEDUARDO_RODRIGUES_CAPOCCHI_rev.pdf>. Acesso em: 28 mar. 2023.

CAVALCANTI, A. P. de H; CARVALHO, W. L. de. A educação do campo no cenário da política educacional brasileira: breve histórico. Revista Temas em Educação, v. 30, n. 2, p. 1–18, 2021. Disponível em: <https://periodicos.ufpb.br/index.php/rteo/article/view/54213>. Acesso em: 31 mar. 2023.

DALLA-ROSA, L. V. Democracia substancial: um instrumento para o poder político. In: CLÈVE, C. M; SARLET, I. W. et al (Org.). Direitos humanos e Democracia. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

EDUCA+BRASIL. Geração 'nem-nem': Jovens entre 18 a 24 anos estão desempregados e não estudam. 10 out. 2022. Disponível em:

<https://www.educamaisbrasil.com.br/educacao/noticias/geracao-nemnem-jovens-entre-18-a-24-anos-estao-desempregados-e-nao-estudam>. Acesso 26 mar. 2023.

HENRIQUES, R.; CARVALHO, M. de; BITTAR, M. Gestão na educação em larga escala: Jovem de Futuro: de projeto piloto em escolas para uma política de rede pública. São Paulo, SP: Instituto Unibanco, 2020.

HOOD, C. A Public Management for all seasons?. Public Administration, London, v. 69, n. 1, p.3-19, 1991.

INSTITUTO UNIBANCO. Jovem de Futuro. Iniciativas, 2023. Disponível em: <https://www.institutounibanco.org.br/iniciativas/jovem-de-futuro/>. Acesso em: 28 mar. 2023.

INSTITUTO UNIBANCO. Relatório de Atividades 2012, 2012. Disponível em:

<https://www.institutounibanco.org.br/relatorio/pdf/rel_atividades_2012.pdf>. Acesso em: 01 dez. 2023.

INSTITUTO UNIBANCO. Relatório de Atividades 2016, 2016. Disponível em: <https://cdnportaliuprd.portalinstitutounibanco.org.br/wp-content/uploads/2016/08/ra-iu-2016_web.pdf>. Acesso em: 01 dez. 2023.

INSTITUTO UNIBANCO. Relatório de Atividades 2017, 2017. Disponível em: <https://www.institutounibanco.org.br/wp-content/uploads/2018/07/ra-iu-2017-web_31072018.pdf>. Acesso em: 01 dez. 2023.

INSTITUTO UNIBANCO. Relatório de Atividades 2022, 2022. Disponível em: <https://cdnportaliuprd.portalinstitutounibanco.org.br/wp-content/uploads/2023/11/Instituto_Unibanco_RA_2022.pdf>. Acesso em: 01 dez.2023.

LAVAL, C. A escola não é uma empresa: o neoliberalismo em ataque ao ensino público. São Paulo: Boitempo, 2019.

LOPES, E. C. P. M.; CAPRIO, M. As influências do modelo neoliberal na educação. Revista online de Política e Gestão Educacional, Araraquara, n. 5, p. 1–16, 2008. Disponível em: <https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/9152>. Acesso em: 3 dez. 2023.

LOURENÇO, T. Escolas brasileiras ainda formam analfabetos funcionais. Jornal da USP, Ribeirão Preto, 13 nov. 2020. Disponível em: <https://jornal.usp.br/atualidades/escolas-brasileiras-ainda-formam-analfabetos-funcionais/>. Acesso: 20 de mar. 2023.

MATIJASCIC, M. Política Social Brasileira: Conquistas e Desafios. Texto para discussão, n. 2062. Brasília: Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2015.

MINAS GERAIS. Manual de Operações do Programa Estadual de Parcerias Público-privadas de Minas Gerais. Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, 2013. Disponível em: <https://www.mg.gov.br/system/files/media/planejamento/documento_detalhado/2022/parcerias-publico-privadas/manual_de_operacoes_atual2013.pdf >. Acesso em: 30 mar. 2023.

MINAS GERAIS. Programa Jovem de Futuro. SRE NOVA ERA-MG, 24 jan. 2017. Disponível em: <https://srenovaera.educacao.mg.gov.br/47-divep/293-juventudes>. Acesso em: 01 dez. 2023.

PEREIRA, P. de S.; LOUREDO, F. de S. G. Parcerias público-privadas: desafios e facilitadores na melhoria dos serviços públicos. Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. v. 8, n. 6, p. 30-64. jun. 2021. Disponível em: <https://www.nucleodoconhecimento.com.br/administracao/desafios-e-facilitadores>. Acesso em: 30 mar. 2023.

PIZOLATI, A. R. Docência, ensino e aprendizagem na conjectura de livre-mercado. Revista Agenda Política, São Carlos, v. 10, n. 1, p. 123–138, 2022. Disponível em: <https://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/659>. Acesso em: 29 mar. 2023.

QEDU. IDEB (Ideb por estado) – Brasil. 2021. Disponível em: <https://qedu.org.br/brasil/ideb>. Acesso em: 30 mar. 2023.

ROBERTSON, S.; VERGER, A. A origem das parcerias público-privada na governança global da educação. Educação &Sociedade, Campinas, v. 33, n. 121, p. 1133 - 1156, out./dez, 2012.

ROSENAU, J. N. Governança, ordem e transformação na política mundial. In: ROSENAU, J. N.; CZEMPIEL, E. O. (Orgs.). Governança sem Governo: ordem e transformação na política mundial. Brasília: Editora UNB, p. 12 – 46, 2000.

SANTIN, A. C. A. O Desenvolvimento Local e a relação com as Políticas Públicas REUNI e SISU: o estudo de caso da Universidade Federal de Pelotas. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) - Programa de Pós-Graduação em Ciência Política. Instituto de Filosofia, Sociologia e Política. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2014.

SANTOS, M. H. de C. Que Democracia? Uma Visão Conceitual desde a Perspectiva dos Países em Desenvolvimento. Dados, v. 44, n. 4, p. 729-771, 2001.

SCHUMPETER, J. A. Capitalismo, Socialismo e Democracia. São Paulo: Editora da Unesp, 2017.

SOUZA, J. A construção social da subcidadania: para uma sociologia política da

modernidade periférica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2012.

SOUSA, S. Z.; OLIVEIRA, R. P. de. Sistemas estaduais de avaliação: uso dos resultados, implicações e tendências. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 141, p. 793–822, 2010. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/S0100-15742010000300007>. Acesso em: 28 mar. 2023.

UNESCO. Towards knowledge societies: UNESCO world report. Paris: UNESCO Publishing, 2005. Disponível em: <http://unesdoc.unesco.org/images/0014/001418/141843e.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2023.

Downloads

Publicado

2024-04-03

Como Citar

CUNHA, P. R. C. da .; MACÊDO, R. P. . Governança de Parcerias Público-Privadas na Educação: olhando o Projeto Jovem de Futuro . Revista Agenda Política, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 35–56, 2024. DOI: 10.14244/agenda.2023.2.2. Disponível em: https://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/911. Acesso em: 18 jun. 2024.