As concepções de pessoa e sociedade das distintas correntes do liberalismo

Autores

  • Gabriel de Matos Garcia

DOI:

https://doi.org/10.31990/agenda.2022.3.2

Palavras-chave:

Liberalismo; Liberdades econômicas; Liberdades.

Resumo

O status normativo atribuído às liberdades econômicas é muito importante para o liberalismo. Esse status determina de que forma distintas correntes liberais interpretam as exigências de instituições e práticas sociais comuns aos liberais: o constitucionalismo e o Estado de Direito, a igualdade de oportunidades, mercados livres, bens públicos, um mínimo social adequado e a natureza pública do poder político. Mas em que as correntes liberais se baseiam para atribuírem status tão díspares às liberdades econômicas? Este trabalho defende que isso se deve às distintas concepções ideais de pessoa e sociedade que essas correntes sustentam, e seu objetivo é aprofundar quais são essas concepções e de que forma elas se relacionam às liberdades econômicas, ao papel dos mercados e ao capitalismo. Enquanto liberais clássicos sustentam um ideal de pessoa racional e de sociedade como a solução para problemas de coordenação, liberais progressistas sustentam uma concepção ideal de pessoa moralmente livre e igual, e da sociedade como um empreendimento de cooperação social entre pessoas concebidas dessa forma. Libertarianos consideram as pessoas proprietárias absolutas de si mesmas e a sociedade como uma associação livre desses proprietários.

Referências

BADER, R. M. Robert Nozick. Londres: Bloomsbury Academic, 2013.

BARRY, N. On Classical Liberalism and Libertarianism. Londres: Palgrave MacMillan, 1987.

BECKER, G. The Economic Approach to Human Behavior. Chicago: The University of Chicago Press, 1976.

DWORKIN, R. A virtude soberana: a teoria e a prática da igualdade. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2011.

FREEMAN, S. Can economic liberties be basic liberties? Bleeding Heart Libertarians: Free Markets & Social Justice, 2012. Disponível em: <https://bleedingheartlibertarians.com/2012/06/can-economic-liberties-be-basic-liberties/>. Acessado em 20 jan. 2022.

FREEMAN, S. Capitalism in the Classical and High Liberal Traditions. Social Philosophy and Policy, v. 28, n. 2, p. 19-55, 2011.

FREEMAN, S. Iliberal Libertarians: Why Libertarianism is Not a Liberal View. Philosophy and Public Affairs, v. 30, n. 2, p. 105-151, 2001.

FREEMAN, S. Liberalism. Oxford Research Encyclopedia of Politics, 2017. Disponível em: <https://oxfordre.com/politics/view/10.1093/acrefore/9780190228637.001.0001/acrefore-9780190228637-e-236>. Acessado em 08 jan. 2022.

FREEMAN, S. Rawls. Londres: Routledge, 2007.

FREEMAN, S. Liberalism and Distributive Justice. Oxford: Oxford University Press, 2018.

FRIEDMAN, M. Capitalismo e Liberdade. São Paulo: Nova Cultural, 1982.

FRIEDMAN, M. Livre para escolher: um depoimento pessoal. São Paulo: Record, 2015.

HAYEK, F.A. Direito, Legislação e Liberdade 3 Vols. São Paulo: Visão, 1985.

HAYEK, F.A. Os Fundamentos da Liberdade. São Paulo: Visão, 1983.

HUNT, L. Anarchy, state and utopia: An Advanced Guide. Hoboken: Wiley-Blackwell, 2015.

LAMB, R. Property. Cambridge: Polity Press, 2021.

MACK, E. Libertarianism. Cambridge: Polity Press, 2018.

MACK, E. Robert Nozick’s Political Philosophy. Stanford Encylopedia of Philosophy, 2018. Disponível em: <https://plato.stanford.edu/entries/nozick-political/>. Acesso em: 15 jan. 2022.

NICKEL, J. W. Economic Liberties. In: DAVION, Victoria; WOLF, Clark. (orgs.) The Idea of Political Liberalism: Essays on Rawls. Nova Iorque: Rowman & Littlefield, 2000.

NOZICK, R. Anarquia, estado e utopia. São Paulo: Martins Fontes, 2016.

PLATZ, J. V; TOMASI, J. Liberalism and Economic Liberty. In: WALL, Steven; KUKATHAS, Chandran. (orgs.) The Cambridge Companion to Liberalism. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.

PLATZ, J. V. Are economic liberties basic rights?. Politics, Philosophy & Economics, v. 13, n. 1, p. 23-44, 2014.

PLATZ, J. V. Theories of Distributive Justice: Who gets what and why. Londres: Routledge, 2020.

RAWLS, J. Justiça como equidade: uma reformulação. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

RAWLS, J. O Liberalismo Político. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2016.

RAWLS, J. Uma Teoria da Justiça. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

TOMASI, J. Free Market Fairness. Princeton: Princeton University Press, 2013.

WOLFF, J. Robert Nozick: Property, Justice and the Minimal State. Stanford: Stanford University Press, 1991.

Downloads

Publicado

2023-08-22

Como Citar

GARCIA, G. de M. As concepções de pessoa e sociedade das distintas correntes do liberalismo. Revista Agenda Política, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 48–66, 2023. DOI: 10.31990/agenda.2022.3.2. Disponível em: https://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/795. Acesso em: 2 mar. 2024.