A Campanha “Não É Não”

os corpos das mulheres como espaço político de reivindicação

Autores

  • Maria Simone Vione Schwengber Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
  • Naira Leticia Giongo Mendes Pinheiro Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.31990/agenda.2022.3.10

Palavras-chave:

Corpos, Mulheres, Violências de gênero, Micropolítica, Não É Não

Resumo

Este artigo articula discussões sobre corpos de mulheres no contexto da campanha “Não É Não”, que tomamos como uma experimentação de micropolítica de gênero. Assim, lançamos a seguinte questão: como a campanha “Não É Não” opera? O corpus de análise é constituído por recortes de dizeres enunciativos e por imagens postadas (2017-2020) em redes sociais, como o Instagram. Para a análise, propomos um percurso metodológico inspirado na perspectiva foucaultiana. Como resultado, destacamos que a campanha “Não É Não” é conduzida por um grupo de mulheres brasileiras (de diferentes gerações), que rechaçam as violências e as submissões naturalizadas (historicamente) por meio de mobilizações sociopolíticas em ações de protestos, em que os corpos são a causa e o suporte das reivindicações, afirmando um outro corpo, que quer ser político e reconhecido na sua posição de direito de aparecer e de respeito.

Biografia do Autor

Maria Simone Vione Schwengber, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFGRS). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação nas Ciências da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. Bolsista FAPERGS. Bolsista em Produtivide em Pesquisa 2 do CNPq. simone@unijui.edu.br. https://orcid.org/0000-0002-3583-1408.

Naira Leticia Giongo Mendes Pinheiro, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Doutora em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ).

Referências

ABREU, C. de. Géneros y sexualidades no heteronormativas en las redes sociales digitales. 2014. 393 f. Tese (Doutorado em “Artes y Educación”) – Facultad de Bellas Artes, Universitad de Barcelona, Barcelona, España, 2014.

AGAMBEN, G. Homo Sacer I: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

ARENDT, H. A promessa da política. Trad. Pedro Jorgensen Jr. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

BENFEITORIA (2020). Não É Não. Disponível em: <https://benfeitoria.com/canal/naoenao>. Acesso em: 04 jun. 2021.

BRASIL. Decreto-Lei n° 13.718, de setembro de 2018. Altera o Decreto-Lei nº 2.848. Diário Oficial da União, Brasília, 24 set. 2018. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2018/lei/L13718.htm>. Acesso em: 04 jun. 2021.

BUTLER, Judith. A força da não violência: um vínculo ético-político. Tradução de Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2021.

BUTLER, J. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. Trad. Fernanda Siqueira Miguens. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

BUTLER, J. Performative acts and gender constitution, an essay in Phenomenology and Feminist Theory. In: BIAL, H. (ed.). The performance studies reader. Londres: Routledge, 2004.

BUTLER, J. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

BUTLER, J. Vida precária: os poderes do luto e da violência. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

CARVALHO, B. (2019). Não é Não! Tatuagem temporária contra assédio tomará o carnaval do Piauí. [on-line]. Disponível em: <https://www.colunabrunacarvalho.com.br/noticias/noticias/nao-e-nao-tatuagem-temporaria-contra-assedio-tomara-o-carnaval-do-piaui-515.html>. Acesso em: 20 fev. 2021.

CARVALHO, C. (2018). Mulheres unidas contra o assédio: “Não É Não”. Jornal do Commercio. Disponível em: <https://jc.ne10.uol.com.br/canal/cidades/jc-na-folia/noticia/2018/02/06/mulheres-unidas-contra-o-assedio-nao-e-nao-326813.php>. Acesso em: 20 fev. 2021.

CASTELLS, M. Redes de indignação e de esperança: movimentos sociais na era da internet. 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

COLASANTI, M. Mulher daqui pra frente. São Paulo: Círculo do Livro, 1981.

COLLING, A. M; ACOM, A. C. Corpo feminino, corpo político: de fustigado à devorador do instituído. Revista Prâksis, v. 2, p. 128-147, 2019.

COLLING, A. M. (2015). Historiadora comenta a Marcha das Vadias. Disponível em: <https://feminismonapratica.wordpress.com/2015/09/16/historiadora-comenta-a-marcha-das-vadias/>. Acesso em: 20 fev. 2021.

CONNELL R.; PEARSE, R. Gênero: uma perspectiva global. São Paulo: nVersos, 2015.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 3. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia, vol. 4. São Paulo: Editora 34, 2012.

DIANA, D. (2019). Ponto de exclamação ( ! ): Quando usar? Toda Matéria. Disponível em: <https://www.todamateria.com.br/ponto-de-exclamacao-quando-usar/>. Acesso em: 20 fev. 2021.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

FOUCAULT, M. Ética, sexualidade, política. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Editora Graal, 2002.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: o cuidado de si. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

GOMES, C. C. (2017). Corpo e emoção no protesto feminista: a Marcha das Vadias do Rio de Janeiro. Sexualidad, Salud y Sociedad, v. 25, p. 231-255. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1984-6487.sess.2017.25.12.a> Acesso em: 20 fev. 2020.

GROSZ, E. Corpos-cidades. In: MACEDO, A. G.; RAYNER, F. Gênero, cultura visual e performance: antologia crítica. Porto: Húmus; Universidade do Minho, 2011.

HARAWAY, D. J. The Haraway Reader. New York: Routledge, 2004.

HOLANDA, H. B. de. Introdução: o grifo é meu. In: HOLANDA, H. B. de. (org.). Explosão feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

HOOKS, b. Compreendendo o patriarcado. Louisville: Anarchist Federation, 2018.

HYPENESS. (2020). ‘Não é não’: campanha contra assédio no Carnaval atinge 15 Estados. Hypeness. Disponível em: <https://www.hypeness.com.br/2020/01/nao-e-nao-campanha-contra-assedio-no-carnaval-atinge-15-estados/>. Acesso em: 25 jun. 2021.

MACHADO, I. L. Algumas reflexões sobre elementos de base e estratégias da Análise do Discurso. Revista de Estudos da Linguagem, v. 20, n. 1, p. 187-207, 2012.

NÃO É NÃO (2017). Todas animadas para receber as tattoos #NãoéNão⁉ Instagram: Não É Não. Disponível em: <https://www.instagram.com/p/BbPUSUzHTfS/>. Acesso em: 20 fev. 2020.

NECHAR, P. A. Diversidade de corpos: a ascensão do corpo gordo através das artes, redes sociais e o movimento Plus Size. In: INTERCOM – SOCIEDADE BRASILEIRA DE ESTUDOS INTERDISCIPLINARES DA COMUNICAÇÃO, CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 41., 2018. Joinville. Anais eletrônicos [...]. Joinville, SC: Intercom, 2018. p. 1-15. Disponível em: <https://abre.ai/cRBB>. Acesso em: 12 jun. 2021.

PERROT, M. Minha história das mulheres. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2015.

PINTO, C. R. J. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2003.

PINTO, M. J. Comunicação e discurso. 2. ed. São Paulo: Hacker, 2002.

PRECIADO, P. B. Testo Junkie: sexo, drogas e biopolítica na era farmacopornográfica. São Paulo: N-1 edições, 2018.

PORTO. P. R. F. Violência doméstica e familiar contra a mulher – Lei 11.340/06 – Análise crítica e sistêmica. Porto Alegre: Livraria do Advogado: 2007.

REGINATO, A. D. de A. Obrigação de punir: racionalidade penal moderna e as estratégias de controle da violência doméstica contra a mulher. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal de Sergipe, Aracaju, 2014.

REGULSKA, J. The #MeToo Movement as a Global Learning Moment. International Higher Education, v. 94, p. 5-6, 11 jun. 2018.

SAFFIOTI, H. Gênero, patriarcado e violência. 2. ed. São Paulo: Expressão popular/Fundação Perseu Abramo, 2015.

SCHWENGBER, M. S. V. O uso metodológico da imagem. In: MEYER, D. E.; PARAÍSO, M. A. (org.). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2012.

SCHWENGBER, M. S. V.; DREHER, D.; PINHEIRO, N. L. G. M. Não é Não! Entre redes e ruas: Conflitualidade entre cultura da violência e corpos de mulheres. Revista Latino-americana de Geografia e Gênero, v. 11, p. 130-145, 2020.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, vol. 20, n. 2, jul./dez. 1995.

SCOTT, J. Os usos e abusos do gênero. Revista Projeto História, São Paulo, n. 45, p. 327-351, dez. 2012. Disponível em: <http://revistas.pucsp.br/index.php/revph/article/view/15018>. Acesso em: 2 jun. 2020.

SOLNIT, R. Os homens explicam tudo para mim. São Paulo: Cultrix, 2017.

SUASSUNA, F. (2020). Coletivo Não é Não lança campanha na web para o Carnaval no DF. Metrópoles. Disponível em: <https://www.metropoles.com/vida-e-estilo/comportamento/coletivo-nao-e-nao-lanca-campanha-na-web-para-o-carnaval-no-df>. Acesso em: 15 jun. 2021.

UNO, K. Hijikata Tatsumi: pensar um corpo esgotado. Tradução: Christine Greiner e Ernesto Filho. N-1 Edições: São Paulo. 2018.

WAJCMAN, J. TechnoCapitalism Meets TechnoFeminism: women and technology in a wireless world. Labour and Industry: a Journal of the Social and Economic Relations of Work, v. 16, n. 3, p. 7-20, 2006.

Downloads

Publicado

2023-08-22

Como Citar

VIONE SCHWENGBER, M. S.; GIONGO MENDES PINHEIRO, N. L. A Campanha “Não É Não”: os corpos das mulheres como espaço político de reivindicação. Revista Agenda Política, [S. l.], v. 10, n. 3, p. 234–259, 2023. DOI: 10.31990/agenda.2022.3.10. Disponível em: https://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/787. Acesso em: 2 mar. 2024.