Bolsa Família e COVID-19

cartografando um cosmograma através da Teoria do Ator Rede em Araraquara-SP

Autores

  • Guilherme de Matos Floriano Universidade Estadual Paulista (UNESP)

DOI:

https://doi.org/10.14244/agenda.2023.2.6

Palavras-chave:

Bolsa Família, COVID-19, Cosmograma, Rede sociotécnica, Teoria do Ator-Rede

Resumo

O principal objetivo desta pesquisa é seguir os atores envolvidos no Programa Bolsa Família (PBF) e delinear a rede que forma o programa — sejam estes atores humanos ou não-humanos. Na medida em que o PBF é dotado de agência, ele constitui um espaço social específico — uma rede sociotécnica — que mobiliza categorias e gera alterações e impactos na sociedade. O objetivo dessa pesquisa é seguir os atores humanos e não humanos envolvidos no Programa Bolsa Família (PBF) e delinear a rede que forma o programa. Para tanto, a pesquisa se vale da etnografia. Nesse sentido, parte-se da hipótese de que o PBF é híbrido por constituir uma rede que passa pela ciência, pela sociedade e pelo discurso, sendo, portanto, real, coletiva e discursiva. Por conseguinte, é social nos termos de Latour. Tomando como premissa a ideia de que agregados sociais precisam ser explicados e não tomados como explicação, o social é composto por um princípio de conexões. Não existe “esfera da política” e “esfera da ciência”. Como espaço empírico crucial desse estudo, tem-se a Secretaria Municipal de Assistência Social (SMADS) que se constitui enquanto local de referência da proteção social no Brasil juntamente dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS). O protagonismo da SMADS se deve ao fato de ser o espaço onde é alocada a gerência do Cadastro Único e a gestão do PBF, sendo assim responsável pelo contato das famílias com os programas sociais do Estado. O que se coloca, portanto, é que tal visão permitirá perceber os fenômenos sociais, econômicos e culturais que o constituem em sua magnitude, bem como, perceber o PBF enquanto um encontro entre beneficiários e o Estado o que, por fim, permitirá compreender como se dão tais disputas pelos significados mobilizadas no interior da efetivação do PBF, delineando sua rede e seu cosmograma.

Biografia do Autor

Guilherme de Matos Floriano, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Doutor em Ciências Sociais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS) da Universidade Estadual Paulista (UNESP) na Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (FCLAr).

Referências

ANJOS, J. C. G. Remanescentes de quilombos: reflexões epistemológicas. In: LEITE, I. B. (Org.). Laudos periciais antropológicos em debate. Florianópolis: NUER/ABA, p. 89 – 112, 2005.

FLORIANO, G. de M. De “dentro” e de “fora” do Estado: um estudo sobre percepções e práticas do Bolsa Família. Penápolis: Editora Sociologia, Política e Cidadania, 2020.

GIUMBELLI, E. Para além do “trabalho de campo”: reflexões supostamente malinowskianas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 17, n. 48, fev. 2002.

LATOUR, B; TARDE, G. And the end of the social. In: JOYCE, Patrick (Ed.). The Social in Question: New Bearings in History and the Social Sciences. Londres: Routledge, p.117-132, 2002.

LATOUR, B. Como terminar uma tese de sociologia: pequeno diálogo entre um aluno e seu professor (um tanto socrático). Cadernos de Campo, 14/15, p. 339-352, 2006.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-Rede. Bauru, São Paulo: EDUSC, 2012.

LATOUR, B. Jamais Fomos Modernos. São Paulo: Editora 34, 2013.

LATOUR, B et al. Múltiplos e animados modos de existência: uma entrevista com Bruno Latour. Revista de Antropologia, 57(1), p. 499-519, 2014.

LATOUR, B. Cogitamus: seis cartas sobre as humanidades científicas. São Paulo: Editora 34, 2016.

MÜLLER, A. M. O jornal como fonte de pesquisa histórica e antropológica: entre o monologismo e a polifonia. Biblos, 1, 3ª série, p. 269-286, 2015.

ROCHA, S. Transferências de Renda no Brasil: o fim da pobreza? Rio de Janeiro: Elsevier, 2013.

TARDE, G. Monadologia e sociologia: e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

TARDE, G. As leis sociais: um esboço de sociologia. Niterói: Editora da UFF, 2011.

Downloads

Publicado

2024-04-03

Como Citar

FLORIANO, G. de M. . Bolsa Família e COVID-19: cartografando um cosmograma através da Teoria do Ator Rede em Araraquara-SP. Revista Agenda Política, [S. l.], v. 11, n. 2, p. 135–156, 2024. DOI: 10.14244/agenda.2023.2.6. Disponível em: https://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/840. Acesso em: 18 jun. 2024.