Chamada de Artigos: A centralidade dos intelectuais na disputa política brasileira - De 10 de Julho a 30 de Setembro

2020-07-10
Considerando uma das características do processo de formação da modernidade no Brasil, ou seja, a natureza controlada deste processo, bem como a sua não espontaneidade enquanto produto do próprio fluxo histórico para a constituição do que Florestan Fernandes denominou como ordem social competitiva, é notável a presença dos intelectuais na produção e circulação de ideias, dos grandes debates teóricos e mesmo na atuação direta e indireta no próprio Estado. Esta trajetória dos intelectuais no Brasil, que sempre esteve muito próxima da política, provocando diferentes graus de aproximação entre a academia e o Estado, foi marcada por uma tensão permanente entre o pensamento e a ação. Dentre as diversas temáticas abordadas pelos intelectuais, passando pela discussão sobre o imperativo nacional e sobre o atraso estrutural, percebe-se uma constante: a construção da nação jamais se distanciou do pensar a nação. Certamente, a presença dos intelectuais não ocorreu, na história política brasileira, de modo homogêneo, havendo períodos de arrefecimento, como foi o caso da ditadura militar e também do período de hegemonia neoliberal ao longo da década de 1990. Contudo, o ambiente político contemporâneo adquiriu contornos de uma configuração propícia para o retorno do protagonismo dos intelectuais na disputa política brasileira, marcado pela radicalização do discurso e de seus porta-vozes (que ressignificam o conceito clássico de intelectual, transcendendo os muros da academia e alcançando públicos ainda maiores por meio de redes sociais). Este dossiê possui como foco pesquisas que analisem a relação entre os intelectuais e a política no Brasil, com ênfase para o cenário contemporâneo.   Coordenadores: Prof. Dr. Ivan Henrique de Mattos e Silva (UNIFAP), Prof. Dr. Thiago Mazucato (FUNEPE)