Subjetivação necropolítica e a materialidade do pós-estruturalismo

Autores

  • Yuri Bataglia Espósito

DOI:

https://doi.org/10.31990/agenda.2020.1.11

Resumo

As teorias pós-estruturalistas podem ser produtivas aos debates atuais sobre racialidade, sexualidade, gênero e interseccionalidade. Este artigo recupera propostas metodológicas de Michel Foucault como a micropolítica e a genealogia do poder, abordando as tecnologias discursivas de dominação e os dispositivos biopolíticos de subjetivação. Em autores como Achille Mbembe e Paul Preciado, os conceitos foucaultianos são operacionalizados expondo como a dominação discursiva está atrelada à subjetivação necropolítica dos grupos populacionais racializados e sexualizados. A metodologia interseccional evidencia a operação social de um conjunto de regimes de poder, como o racismo, o sexismo e o capitalismo, que conjuntamente constroem organizações sociais hierárquicas e exploratórias, produzindo condições de vida precarizadas e violentas. A metodologia micropolítica-genealógica problematiza a centralidade e a neutralidade estatais, e também o estrutural-economicismo presente nas teorias marxistas de viés ortodoxista; assim, contribui-se para a crítica e o combate aos diversos regimes de dominação política e discursiva que operam imbricados.

Referências

AKOTIRENE, C. (2018) O que é interseccionalidade?. Belo Horizonte: Letramento.

ALMEIDA, S. (2018) O que é racismo estrutural?. Belo Horizonte: Letramento.

BUTLER, J. (1997) Excitable Speech: A politics of the performative. New York: Routledge.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. (1996) Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia, vol. 3. Rio de Janeiro: Editora 34.

ESPÓSITO, Y. B. (2019a) “Dominação discursiva e discursividade da dominação”. Revista Pensata, v. 7. Guarulhos: Editora Unifesp.

ESPÓSITO, Y. B.(2019b) “Generificação multisseccional ou racialismo multissegmentário: o discurso da degenerescência e a naturalização da diferença”. Periódicus – Revista de estudos indisciplinares em gêneros e sexualidades, n. 11, v. 1. Salvador: EDUFBA.

FOUCAULT, M. (2014) Aulas sobre a vontade de saber. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

FOUCAULT, M. (2010) Em defesa da sociedade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes.

FOUCAULT, M. (1999) História da sexualidade I: A vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal.

MBEMBE, A. (2018ª) Necropolítica: Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: n-1 edições.

MBEMBE, A. (2018b) Crítica da razão negra. São Paulo: n-1 edições.

MCCLINTOCK, A. (2010) Couro imperial: Raça, gênero e sexualidade no embate colonial. Campinas: Editora da Unicamp.

MILLER, J. C. (1995) Poder político e parentesco: Os antigos Estados Mbundu em Angola. Luanda: Arquivo Histórico Nacional.

MOMBAÇA, J. (2016) Rumo a uma redistribuição desobediente de gênero e anticolonial da violência!. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo.

MOMBAÇA, J. (2017). Notas estratégicas quanto ao uso politico do conceito de lugar de fala. Buala, 19 de Julho de 2017. Disponível em: <http://www.buala.org/pt/corpo/notas-estrategicas-quanto-aos-usos-politicos-do-conceito-de-lugar-de-fala>. Acesso em: 26/01/2019.

PRECIADO, P. (2014) Manifesto contrassexual: Práticas subversivas de identidade sexual. São Paulo: n-1 edições.

PRECIADO, P. (2008) Testo Yonqui. Madrid: Espasa Calpe.

PRECIADO, P. (2018) “La izquierda bajo la piel: Um prólogo para Suely Rolnik”. In ROLNIK, S. Esferas da insurreição: Notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: n-1 edições, pp. 11-21.

RIBEIRO, D. (2017) O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SAID, E. (1990) Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das letras.

Downloads

Publicado

2022-01-25

Como Citar

ESPÓSITO, Y. B. Subjetivação necropolítica e a materialidade do pós-estruturalismo. Revista Agenda Política, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 313–336, 2022. DOI: 10.31990/agenda.2020.1.11. Disponível em: https://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/322. Acesso em: 7 dez. 2023.