A direita nas eleições presidenciais brasileiras de 2018: prioridades temáticas e variações ideológicas

Autores

  • Paulo Cesar Gregorio
  • Flávio Contrera

DOI:

https://doi.org/10.31990/agenda.2020.1.1

Resumo

A partir da discussão sobre a ascensão da direita na Europa, este trabalho teve como objetivo identificar e compreender a variação das temáticas priorizadas pelos candidatos à Presidência do Brasil nas eleições presidenciais de 2018, que se apresentaram como representantes das direitas. Para tanto, empregamos a metodologia de Análise de Conteúdo desenvolvida pelo MARPOR. Compreendendo o campo da direita como ideologicamente diverso, a caracterizamos em quatro dimensões: “Direita Liberal”, “Direita Conservadora”, “Direita Militar” e “Direita Antiestablishment”. Os resultados indicaram que tanto os partidos mais próximos quanto os mais distantes da centro-direita priorizaram as temáticas associadas à Direita Liberal em relação às demais dimensões, com exceção do MDB. Ademais, mostraram que o PSL, partido mais afastado da centro-direita, foi justamente o partido que mais defendeu temáticas alinhadas à Direita Liberal. Apesar disso, os resultados também revelaram que posicionamentos antiestablishment foram os segundos mais mobilizados pela maioria dos partidos analisados. Desse modo, a nova direita brasileira caracteriza-se ao mesmo tempo como liberal e antiestablishment e, com exceção da defesa da lei e da ordem, não compartilha das mesmas características da nova direita europeia.

Biografia do Autor

Paulo Cesar Gregorio

Referências

ABREU, J.; ALLEGRETTI, G. (2016). “Comportamento político violento e avanço global da direita: uma análise do caso brasileiro”. Crítica e Sociedade: revista de cultura política, v. 6, n. 2, p. 88-121.

ALDRICH, J. (2011). Why parties? A second look. 2a ed. Chicago: University of Chicago Press.

BABIRESKI, F. (2016). “Pequenos partidos de direita no Brasil: uma análise dos seus posicionamentos políticos”. Newsletter. Observatório de Elites Políticas e Sociais do Brasil, v. 3, n. 6, p. 1-16.

BARR, R. (2009). “Populists, outsiders and anti-establishment politics”. Party Politics, v. 15, n. 1, p. 29-48.

BARBOSA, F. (2017). “Partidos políticos antiestablishment na Europa Central pós 1989: uma lógica populista?”. Teoria e Pesquisa, v. 26, n. 1, p. 36-64.

BARDIN, L. (2002). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

BAUM, M.; NAU, H. (2012). “Foreign Policy Worldviews and US Standing in the World”. In: Annual Convention of the American Political Science Association, 2012, New Orleans, Louisiana, Annals of APSA Convention, p. 01-55.

BENKLER, Y. (2011). “Networks of power, degrees of freedom”. International Journal of Communication, n. 5, p. 721-755.

BOBBIO, N. (1995). Direita e esquerda: razões e significados de uma distinção política. São Paulo: Editora Unesp.

BONNARDEL, P. (2001). “The kappa coefficient: The measurement of Interrater agreement when the ratings are on categorical scales: The case of two raters”. Disponível em: <http://kappa.chez-alice.fr/>. Acesso em: 20 fev. 2020.

BUDGE, I.; FARLIE, D. (1983). “Party competition: selective emphasis or direct confrontation? An alternative view”. In: DAALDER, Hans; MAIR, Peter (org.). West European party systems: continuity & change. London: Sage Publications.

BUDGE, I.; KLINGEMANN, H. D.; VOLKENS, A.; BARA, J.; TANENBAUM, E. (2001). Mapping policy preferences: estimates for parties, electors, and governments 1945-1998. New York: Oxford University Press.

BUDGE, I. (2013). “The standard Right-Left Scale. Paper prepared to Manifesto Research on Political Representation”. Disponível em: <https://manifestoproject.wzb.eu/down/papers/budge_right-left-scale.pdf>. Acesso em: 30 nov. 2019.

BURKE, E. (2014). Reflexões sobre a revolução na França. Tradução José Miguel Nanni Soares. São Paulo: Edipro.

BRESSER-PEREIRA, L. C. (2017). “Como sair do regime liberal de política econômica e da quase-estagnação desde 1990”. Estudos Avançados, v. 31, n. 89, p. 7-22.

CEPEDA, V. (2018). “A nova direita no Brasil: contexto e matrizes conceituais”. Mediações, v. 23, n. 2, p. 75-122.

CODATO, A.; BERLATTO, F.; BOLOGNESI, B. (2018). “Tipologia dos políticos de direita no Brasil: uma classificação empírica”. Análise Social, v. 53, n. 229, p. 870-897.

COHEN, J. (1960). “A coefficient of agreement for nominal scales”. Educational and Psychological Measurement, v. 20, n. 1, p. 137-46.

COPPEDGE, M. (1997). A classification of Latin American political parties. Kellogg Institute Working Paper 244, 1997.

CRUZ, S. (2015). “Elementos de reflexão sobre o tema da direita (e esquerda) a partir do Brasil no momento atual”. In: CRUZ, Sebastião; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo (org.). Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

CRUZ, S.; KAYSEL, A.; CODAS, G. (2015). “Introdução”. In: CRUZ, Sebastião; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo (org.). Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

DIX, R. H. (1985). “Populism: authoritarian and democratic”. Latin American Research Review, v. 2, n. 20, p. 29-52.

DOWNS, A. (1999). Uma teoria econômica da democracia. São Paulo: Edusp.

GERMANI, G. (1978). Authoritarianism, Fascism, and National Populism. Brunswick: Transaction Books.

GOODWYN, L. (1976). Democratic promise: the populist moment in America. Oxford: Oxford University Press.

IGNAZI, P. (2003). Extreme right parties in Western Europe. New York: Oxford University Press.

JORGE, V.; SILVA, M.; FARIA, A.; FERREIRA, A. (2018). “Análise dos programas eleitorais dos candidatos a presidente em 2014: o posicionamento ideológico do PT e do PSDB”. Revista de Sociologia e Política, v. 26, n. 67, p. 1-20.

KAYSEL, A. (2015). “Regressando ao regresso: elementos para uma genealogia das direitas brasileiras”. In: CRUZ, Sebastião; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo (org.). Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

KENNEY, C. (1998). “Outsiders and anti-party politicians in power: new conceptual strategies and empirical evidence from Peru”. Party Politics, v. 1, n. 4, p. 57-75.

KLINGEMANN, H. D.; VOLKENS, A.; BARA, J.; BUGGE, I.; MCDONALD, M. (2006). Mapping policy preferences II: estimates for parties, electors, and governments in Eastern Europe, European Union and OECD 1990-2003. New York: Oxford University Press.

LENIN, V. (2010). Imperialism: the Highest Stage of Capitalism, Londres: Penguin Classics.

LÖWY, M. (2015). “Conservadorismo e extrema-direita na Europa e no Brasil”. Serviço Social e Sociedade, n. 124, p. 652-664.

MADEIRA, R.; TAROUCO, G. (2011). “Esquerda e direita no Brasil: uma análise conceitual”. Revista Pós - Ciências Sociais, v. 8, n. 15, p. 171-185.

MADEIRA, R.; VIEIRA, S.; TAROUCO, G. (2017). “Agendas, preferências, competição: PT e PSDB em disputas presidenciais”. Caderno CRH, v. 30, n. 80. p. 257-273.

MAINWARING, S.; MENEGUELLO, R.; POWER, T. (2000). Partidos conservadores no Brasil contemporâneo. São Paulo: Paz e Terra.

MCMATH, R. (1992). American populism: a social history 1877–1898. New York: Hill and Wang.

MESSENBERG, D. (2017). “A direita que saiu do armário: a cosmovisão dos formadores de opinião dos manifestantes de direita brasileiros”. Sociedade e Estado, v. 32, n. 3, p. 621–648.

MUDDE, C.; KALTWASSER, C. (2017). Populism: a very short introduction. New York: Oxford University Press.

NORRIS, P. (2003). “Preaching to the converted? Pluralism, participation and party websites”. Party politics, v. 9, n. 1, p. 21-45.

PENTEADO, C.; LERNER, C. (2015). “A direita se mobiliza: estudo do uso de redes sociais de internet por grupos de direita no Brasil”. Anais do Pensa com Brasil. Disponível em: <http://portalintercom.org.br/anais/pensacom2015/resumos/025.pdf>. Acesso em: 29 jan. 2020.

PIERUCCI, A. F. (1987). “As bases da nova direita”. Novos Estudos Cebrap, n. 19, p. 26-45.

POWER, T.; ZUCCO JR., C. (2009). “Estimating ideology of Brazilian legislative parties, 1990-2005: a research communication”. Latin American Research Review, v. 44, n. 1, p. 218-246.

QUADROS, M. P. R.; MADEIRA, R. M. (2018). “Fim da direita envergonhada? Atuação da bancada evangélica e da bancada da bala e os caminhos da representação do conservadorismo no Brasil”. Opinião Pública, v. 24, n. 3, p. 486-522.

ROBERTSON, D. (1976). A theory of party competition. London: Wiley.

RODRIGUES, L. M. (1987). Quem é quem na Constituinte: uma análise sociopolítica dos partidos e deputados. São Paulo: OESP-Maltese.

RODRIGUES, L. M. (2002). Partidos, ideologia e composição social: um estudo das bancadas partidárias na Câmara dos Deputados. São Paulo: Edusp.

SARTORI, G. (1982). Partidos e sistemas partidários. Brasília: Editora UnB.

SILVA, A.; BRITES, C.; OLIVEIRA, E.; BORRI, G. (2014). “A extrema direita na atualidade”. Serviço Social e Sociedade, n. 119, p. 407-445.

SILVEIRA, S. (2015). “Direita nas redes sociais online”. In: CRUZ, Sebastião; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo (org.). Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

TAROUCO, G. (2011). “Brazilian parties according to their manifestos: political identity and programmatic emphases”. Brazilian Political Science Review, v. 5, n. 1, p. 54-76.

TAROUCO, G.; VIEIRA, S.; MADEIRA, R. (2015). “Mensuração de preferências políticas: análise de manifestos partidários”. Política Hoje, v. 24, n. 2, p. 135-150.

TAROUCO, G.; MADEIRA, R. (2013a). “Partidos, programas e o debate sobre esquerda e direita no Brasil”. Revista de Sociologia e Política, v. 21, n. 45, p. 149-165.

TAROUCO, G.; MADEIRA, R. (2013b). “Esquerda e direita no sistema partidário brasileiro: análise de conteúdo de documentos programáticos”. Revista Debates, v. 7, p. 77-92.

TATAGIBA, L.; TRINDADE, T.; TEIXEIRA, A. C.C. (2015). “Protestos à direita no Brasil (2007-2015)”. In: CRUZ, Sebastião; KAYSEL, André; CODAS, Gustavo (org.). Direita, volver! O retorno da direita e o ciclo político brasileiro. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

TSEBELIS, G. (1998). Jogos Ocultos: escolha racional no campo da política comparada. São Paulo: Edusp.

WIESEHOMEIER, N.; BENOIT, K. (2007). Parties and Presidents in Latin America: Data from Expert Surveys in 18 Latin American Countries, 2006-2007. University of Konstanz: Trinity College Dublin.

ZUCCO JR., C. (2011). “Esquerda, direita e governo: a ideologia dos partidos políticos brasileiros”. In: POWER, Timothy; ZUCCO JR., Cesar (eds.). O Congresso por ele mesmo: autopercepções da classe política brasileira. Belo Horizonte: Editora UFMG, p. 37-60.

Downloads

Publicado

2022-01-25

Como Citar

GREGORIO, P. C.; CONTRERA, F. A direita nas eleições presidenciais brasileiras de 2018: prioridades temáticas e variações ideológicas. Revista Agenda Política, [S. l.], v. 8, n. 1, p. 10–49, 2022. DOI: 10.31990/agenda.2020.1.1. Disponível em: https://www.agendapolitica.ufscar.br/index.php/agendapolitica/article/view/307. Acesso em: 25 fev. 2024.