Segurança Pública e política no Rio de Janeiro: os atores políticos da Pacificação

Pablo Nunes

Resumo


O presente trabalho é um esforço para entender a forma pela qual o jornal O Globo evidenciou certos atores políticos dentro da sua cobertura relacionada a favelas “pacificadas”. Trabalhando com a ideia de esfera pública (HABERMAS, 1991) e com teorias de agenda-setting (WOLF, 1999), busca-se compreender como o jornal construiu esses atores políticos para o seu público leitor. Entendendo que esse público é constituído em grande parte de camadas médias e altas e com alto nível educacional, propõe-se que essa parcela da esfera pública seria composta de formadores de opinião, intelectuais, políticos e investidores. Sendo assim, seriam esses os principais articuladores e contestadores do projeto de “cidade olímpica” levada a cabo no Rio de Janeiro. Pontua-se que a cobertura jornalística enquadrada nesses atores políticos criou, a princípio, um cenário de resolução da questão da violência nas favelas cariocas.


Texto completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN: 2318-8499

Indexada: Latindex, Sumarios.org, Directory of Research Journals Indexing - DRJI, Portal de Periódicos da UFSCar.